Desrespeito com Patrocinadores

Desrespeito com Patrocinadores

[social_share/]

Desrespeito com Patrocinadores

Não é de hoje que as emissoras de televisão tratam os patrocinadores esportivos com desprezo. Esse tratamento dado pela TV influência muito na decisão de uma empresa em investir em uma modalidade esportiva. Essa atitude atinge principalmente as modalidades esportivas onde o investimento já é muito limitado.

Neste pequeno artigo falarei sobre o vôlei, esporte no qual tenho um pequeno conhecimento sobre a importância de se ter um incentivo e apoio financeiro.

A Superliga de Vôlei tem sido nos últimos anos um festival de novidades, principalmente no quesito novas equipes. Equipes muito bem estruturadas, com bons jogadores, boa equipe técnica etc. Essas equipes, apesar de terem sido bem planejadas, criadas e baseadas em cima de um projeto de dois a cinco anos para que se colham os resultados estão desaparecendo, e vendo todo um planejamento ir por água a baixo já no seu primeiro ano de existência.

Existe muitos motivos que estão fazendo esta triste realidade chegar às equipes de vôlei. Acredito que o principal deles seja a descrença dos patrocinadores com relação à exposição de suas marcas nos meios de comunicação responsáveis pelas transmissões dos jogos.

Todo o patrocinador tem um objetivo: ser reconhecido pelo torcedor, ser visto pelo telespectador, ter sua marca divulgada em todos os meios disponíveis no momento da partida, nos treinamentos ou mesmo nas entrevistas dos jogadores. Uma imposição muito justa se considerarmos os investimentos que as empresas fazem para dar as equipes condições de desenvolver um bom trabalho.

A realidade para este investidor é bem diferente do “mar de rosas” que ele imaginava. Poucos são os jogos transmitidos em TV aberta. Somente partidas decisivas são abertas aos telespectadores em geral. Isso faz com que os patrocinadores apareçam muito pouco para quem tem a possibilidade de assistir aos jogos somente pela televisão.

Além desse corte na quantidade de jogos transmitidos na TV aberta, existe o efeito “patrocinador invisível” nas transmissões. O nome da empresa patrocinadora simplesmente é cortado da descrição da equipe. Em nenhum momento da transmissão é citado o nome do patrocinador. Se as equipes tem seu nome unido ao patrocinador, não é por acaso, existe um investimento por trás disso (muitas vezes um grande investimento para os padrões da modalidade no país), mas parece que isso não importa para quem tem os direitos de transmissão.

Para quem acha que isso é apenas um detalhe, ai vai um exemplo: Vamos supor que eu decida investir em uma equipe de vôlei e seja uma grande empresa. Como forma de patrocínio decidi arcar com despesas de viagens, parte do salário dos jogadores e ajuda nas contratações de nomes importantes do esporte. Tudo corre perfeitamente bem até o momento em que assisto ao jogo da minha equipe patrocinada e vejo que o nome da minha empresa não aparece junto com o nome da equipe como deveria ser. Quer dizer que eu contribuo com grande parte das despesas do clube e mesmo assim não tenho o direito de ter o nome da minha empresa divulgado como deveria ser?

Muitas empresas pequenas sofrem com este efeito, pois elas fazem um grande esforço para manter as equipes, e na hora de ter seu nome divulgado por mérito e por ter acreditado em um projeto, simplesmente são esquecidas.

Um bom exemplo disso, o jogo contra VIVO/Minas X SADA/Cruzeiro, os nomes dos patrocinadores são cortados, a transmissão toda é feita em cima de Minas X Cruzeiro. A exposição dos patrocínios nas camisas não é motivo para que eles sejam descartados dos nomes das equipes.

Tempos atrás o Santander anunciou a fim de sua parceria com o vôlei. Um dos motivos: busca por modalidades esportivas onde e exposição da marca seja feita de forma correta, sem “cortes” ou “técnicas de invisibilidade” aplicadas pela televisão.

No próprio site da Superliga é possível ver os nomes reais e registrados das equipes, não há maquiagem nem exclusão de patrocínios.

A verdade é que em quanto isso não mudar, os patrocínios, que são o combustível para uma equipe poder manter seus projetos e seus objetivos vivos, continuarão migrando para outros esportes em busca de mais visibilidade e honestidade por parte dos meios de comunicação.

Obs.: Abordei apenas a área do voleibol, porém muitos outros esportes sofrem este mesmo efeito.

Nomes originais das equipes da Superliga 2011/2012

Equipes Masculinas

BMG / SÃO BERNARDO (SP)

RJX (RJ)

SADA CRUZEIRO (MG)

MEDLEY / CAMPINAS (SP)

CIMED/SKY (SC)

BMG / MONTES CLAROS (MG)

VOLEI FUTURO (SP)

LONDRINA / SERCOMTEL / MARTMINAS(PR)

VIVO / MINAS (MG)

SESI (SP)

UFJF (MG)

VOLTA REDONDA (RJ)

Equipes Femininas

BMG/SÃO BERNARDO (SP)

VÔLEI FUTURO (SP)

MACAÉ SPORTS (RJ)

ESPORTE CLUBE PINHEIROS (SP)

MACKENZIE/CIA DO TERNO (MG)

USIMINAS/MINAS (MG)

SOLLYS / NESTLÉ (SP)

BANANA BOAT/PRAIA CLUBE (MG)

UNILEVER (RJ)

SÃO CAETANO (SP)

SESI-SP

RIO DO SUL (SC)

[social_share/]

 




3 comentários

Adicione o seu
  1. Vitor

    Imagino o narrador: ponto do Londrina Sercomtel Martminas.
    Ou: vai para o saque Banana Boat Praia Clube.

    Seria o mesmo no futebol: Vai para o ataque a Associação Atleticana Ponte Preta (até falar o nome inteiro, o jogador já perdeu a bola e o time tomou o gol).

  2. Pedr HP

    O corte a patrocinadores também ocorre no futebol. Prestem atenção na coletiva de imprensa com jogador ou técnico, na maioria das vezes, o patrocínio da parede é embaçado ou a filmagem acontece com foco no rosto do jogador sem mostrar as marcas atrás. Vale ressaltar que isso não acontece com o Corinthians.

  3. Basílio Tércio Lucas Gomes

    O patrocínio é muito importante, mas colocar o patrocinador no nome do time eu como publicitário considero um absurdo, mais precisamente um desespero.

    Vendem espaço na manga do time, vendem o calção, vendem as costas, vendem espaço no peito, vendem os direitos de fabricação de uniformes, vendem placas por todo o ginásio, vendem direito de transmissão, vendem o nome do ginásio, vendem ingressos, vendem até o próprio atleta em certos esportes, fora os patrocinadores da Globo e da Sportv que aparecem durante os jogos, mas o NOME DO TIME….
    Poluição Visual, já ouviu falar disto?

    E outro detalhe o patrocinador é da equipe e não da emissora.

    É um absurdo nunca torci por um patrocinador, eu torço é pelo Minas Tênis Clube, instituição impar do esporte mineiro. A VIVO vai passar como passou vários patrocinadores.

    Desespero demais e inteligência de menos.


Postar um novo comentário