The Ultimate Fighter Brasil – Sexto episódio

The Ultimate Fighter Brasil – Sexto Episódio

[social_share/]

The Ultimate Fighter Brasil – Sexto Episódio

Via TUF; por Denis Martins.

Com o elástico placar à favor do Time Vitor (4-0), o episódio número seis do The Ultimate Fighter Brasil é crucial para as aspirações dos representantes do Time Wanderlei. A necessidade de vitória já tinha sido uma pressão quando Reneé Forte foi finalizado por Daniel Sarafian no terceiro capítulo, e naquela oportunidade o placar era de apenas 1-0 para a equipe comandada pelo ex-campeão meio-pesado do UFC, Vítor Belfort. Agora com a desvantagem em proporções enormes, a luta número cinco dentro da casa é tudo ou nada para o combinado azul.

A exibição de Leonardo Macarrão no último programa pode ter funcionado como combustível para as próximas lutas de seus parceiros de equipe. Macarrão foi finalizado, mas mostrou muita vontade e um muay thai de primeira antes de sucumbir no assalto seguinte.

Alguns lutadores já estão começando a visualizar o que virá pela frente, mesmo com Cézar Mutante comentando que o mais importante é a próxima luta e não o que virá pela frente. Entretanto é explícito que os pupilos de Vítor têm em mente que poderão se enfrentar em breve. Com o desenrolar do programa, os caminhos vão se estreitando, e a escolha da luta peso pena no episódio seis deixará o último duelo desta divisão definido.

Confira o sexto episódio completo do The Ultimate Fighter Brasil logo abaixo:

Em um acordo entre os técnicos, a sequência dos embates envolverá os penas da casa, e não alternando. E a escolha de Vítor é Marcos Vinícius “Vina” Pancini e Hugo “Wolverine” Viana para a penúltima quarta de final.

De volta para a casa, os atletas que lutarão têm direito a uma “farra gastronômica” um dia antes da luta, e Vina e Wolverine caem dentro da refeição escolhida.

Godofredo Pepey volta a ser o centro das atenções na casa devido a sua postura, que segundo os atletas da equipe rival, faz com que aparente ser marrento. Isso mantém Pepey afastado de alguns, e a primeira impressão que tiveram dele não deve se alterar até o fim da temporada.

- Vinicíus “Vina” Pancini (Time Wanderlei) vs. Hugo “Wolverine” Viana (Time Vítor) – O duelo começa com boa movimentação, e Wolverine encaixa melhores socos antes de clincharem e Vina responder com uma joelhada na linha de cintura. Tentando aproveitar o bom momento, ele aplica mais joelhadas que forçaram Wolverine a se desvencilhar do clinch e utilizar seu boxe. Separados, Wolverine foi com “overhand” de direita, desequilibrando Vina, que ficou na posição de levantada técnica recebendo chutes nas coxas. O lutador natural da Bahia tinha encontrado a distância perfeita para entrar e sair utilizando suas melhores combinações de punhos. Uma segunda perda de equilíbrio por parte do pupilo de Wanderlei Silva fez com que o Wolverine de Salvador terminasse o assalto mais inteiro e na crescente. Uma queda seguida do ground ‘n pound garantiu o 10-9 par o representante do Time Vítor. Após estudo no princípio do round dois, Vina entrou com forte low kick  na perna esquerda de Hugo e recebeu um contra golpe de direita. Um chute girado de Vina foi bloqueado no processo. O assalto #2 teve seu único momento de chão quando Vina foi para a queda, recebeu uma joelhada e não conseguiu manter o adversário no chão. Wolverine pretendia manter o mesmo ritmo com sua trocação e um chute nas pernas, mas Vina teve seu momento com uma serie de joelhadas no melhor estilo thai. Wolverine partiu um dobrado para se livrar deste domínio do oponente.

Apesar de andar para frente o tempo todo, a pane do segundo round afetou Vina também. Desferindo golpes em doses homeopáticas, incluindo até uma tentativa de joelhada voadora, ele ia deixando de pontuar nesses cinco minutos, enquanto seu oponente mantinha os movimentos de pernas e os ataques para convencer os jurados. No final dos dois assaltos, Wolverine faturou a penúltima quarta de final por decisão unânime.

“O que deixa a gente chateado é que eu sei que a capacidade dele é muito maior do que isso que ele mostrou”, comentou Wanderlei sobre Vina.

“Estou feliz demais, consegui mostrar um pouquinho mais da minha arte marcial.” Celebrou o Wolverine de Salvador.

Após festejos e lamentações dos dois participantes do duelo do episódio seis, Rafael Cordeiro, o mais experiente auxiliar técnico do Time Wanderlei, mostrou toda a sua insatisfação pela atuação de mais um comandado que foi derrotado sem dar ouvidos as instruções do corner azul.

O placar do Time Vítor sobre o Time Wanderlei não tem mais como ser revertido. Porém, os três próximos atletas liderados por Wanderlei – Pé-de-Chumbo, Massaranduba e Rony Jason – virão com a chance de redenção (quase completa) se alcançarem as finais e, conseqüentemente, o título da temporada. Tarefa árdua com cinco de seus parceiros de treinos já fora da disputa e com pouca motivação.

[box_dark]

Time Vítor

Cézar Mutante  (1-0) Finalizou Leonardo Macarrão no ep. 5  
Hugo Wolverine (1-0) Bateu Marcos Vinicius “Vina” por decisão unânime no ep. 6  
Daniel Serafian (1-0) Finalizou Reneé Forte no ep. 3  
Rodrigo Damm (1-0) Bateu John Macapá por decisão dividida no ep. 4  
Thiago Bodão (0-0)  
Godofredo Pepey (1-0) Bateu Wagner Galeto por decisão dividida no ep. 2  
Sérgio Moraes (0-0)  
Anistávio Gasparzinho (0-0)

[/box_dark]

[box_light]

Time Wanderlei

Delson Pé-de-Chumbo (0-0)  
John Macapá (0-1) Perdeu para Rodrigo Damm por decisão dividida no ep. 4   
Francisco Massaranduba (0-0)  
Marcos Vinicius “Vina” (0-1) Perdeu para Hugo Wolverine por decisão unânime no ep. 6  
Reneé Forte (0-1) Perdeu para Daniel Sarafian por finalização no ep. 3  
Wagner Galeto (0-1) Perdeu para Godofredo Pepey por decisão dividida no ep. 2  
Leonardo Macarrão (0-1) Perdeu para Cézar Mutante por finalização no ep. 5

[/box_light][social_share/]

 




Não há comentários

Adicione o seu