Câmbio traseiro Shimano Deore LX M581 SGS – Opinião

Câmbio traseiro Shimano Deore LX M581 SGS – Opinião

Pensei bem antes de decidir fazer esta pequena análise, pois como o câmbio Shimano Deore LX M581 é antigo, achei que não despertaria interesse do público.

Porém percebi que ainda há várias pessoas procurando este modelo de câmbio traseiro para comprar, então acho que é interessante registrar a minha opinião sobre este produto da linha Deore LX da Shimano.

Características

Características do câmbio Shimano Deore LX M581 SGS

Características do câmbio Shimano Deore LX M581 SGS

Leia Também:

MTB Reviews – Início de um Novo Projeto

Manoplas ESI Grips Chunky – Opinião

Luvas Hirzl Grippp Tour FF – Opinião

5 Coisas que os Mountain Bikers Deveriam Parar de Fazer

Motivos pelos quais o Mountain Bike é Ótimo para Sua Saúde

Feito para trabalhar com 9 velocidades, o câmbio Shimano Deore LX M581 SGS (há também a opção GS, com braço curto) possui peso aproximado de 290g e braço longo para combinações com pedivelas de três velocidades. Permite fazer o ajuste fino tanto no câmbio como direto no trocador.

Prós e contras

Shimano Deore LX M581, problema na peça de tensão

Shimano Deore LX M581, problema na peça de tensão

Rodei com este câmbio por um longo período, mais de 1000 km por asfaltos, estradas de terra, cascalho, lama… Enfim, locais e situações bastante diversificadas. O Shimano Deore LX M581 se mostrou muito eficiente durante todo esse período, obviamente não possui as trocas tão eficientes como os modelos mais atuais, mas era realmente uma ótima opção.

Entretanto este câmbio traseiro Shimano possui um pequeno problema que nos modelos atuais já foi corrigido.

Peça mencionada em destaque no diagrama do manual do Shimano Deore LX M581

Peça mencionada em destaque no diagrama do manual do Shimano Deore LX M581

A peça responsável por manter o câmbio tensionado, deixando a mola que fica no parafuso de fixação na gancheira sempre no lugar, é relativamente frágil. Ela tem um pequeno “dente” que com o passar do tempo acaba desgastando, chegando a entortar em alguns casos, e podendo inclusive quebrar.

Isso foi exatamente o que aconteceu comigo. Em um dos pedais que costumo fazer, estava subindo uma das últimas partes da trilha, faltando poucos quilômetros para chegar em casa percebi que começou um ruído diferente na parte do cassete, porém como estava chovendo no dia era difícil notar de onde exatamente vinha o barulho. Quando me dei conta o câmbio traseiro deu uma chicoteada, saltou da gancheira, enroscou na roda e fez “aquela festa”. Minha sorte foi que eu estava em uma subida, em baixa velocidade, e parei rapidamente de pedalar. Mesmo assim o estrago foi considerável, vários raios quebrados e danificados.

Deore LX M581, uma boa opção dependendo do tipo de pedal que se pratica

Deore LX M581, uma boa opção dependendo do tipo de pedal que se pratica

Até poderia ter evitado que isso acontecesse, principalmente checando esta peça antes de sair para pedalar. Sempre fiz isso, porém nas últimas semanas tinha deixado um pouco de lado a parte de manutenção. Acabei pagando o preço, entretanto são coisas que acontecem.

Se não fosse essa pecinha que pode trazer surpresas sem aviso prévio, eu recomendaria a compra (caso ainda encontrem disponível no mercado), mas nessa situação eu não aconselho, principalmente pelo preço do conjunto de peças de manutenção. Além de serem extremamente difíceis de serem encontradas, também são muito caras.

É isso aí pessoal.

Até a próxima.




Não há comentários

Adicione o seu