Quais São os 10 Mandamentos do Islã?

Quais São os 10 Mandamentos do Islã?

Os dez mandamentos bíblicos são conhecidos em todo o mundo como éticas fundamentais do judaísmo e do cristianismo. O que muitas pessoas não sabem, é que eles também são fundamentais para o islã. Estas “regras de ouro” se aplicam a todas as pessoas de religiões monoteístas, identificando os nossos deveres em relação a Deus e aos outros seres humanos.

Curiosidade sobre o assunto: segundo alguns muçulmanos, há uma explicação bastante simples para eles utilizarem apenas a palavra Allah. O motivo é que ela tem apenas um significado. Não há nenhuma outra forma de utilizá-la a não ser para se referir a Deus. Não existem plural, feminino, ou outras formas de uso, ao contrário de outros idiomas onde a palavra Deus pode assumir outros significados (Deusa, Deuses etc…).

Crenças islâmicas

Embora o Alcorão não especifique os dez mandamentos na formulação exata da Bíblia, há dois versos que resumem de forma eloquente nossos deveres para com Deus e para com os outros seres humanos:

Dize (ainda mais): Vinde, para que eu vos prescreva o que vosso Senhor vos vedou: Não Lhe atribuais parceiros; tratai com benevolência vossos pais; não sejais filicidas, por temor á miséria- Nós vos sustentaremos, tão bem quanto aos vossos filhos -; não vos aproximeis das obscenidades, tanto pública, como privadamente, e não mateis, senão legitimamente, o que Deus proibiu matar. Eis o que Ele vos prescreve, para que raciocineis.

Não disponhais do patrimônio do órfão senão da melhor forma possível, até que chegue á puberdade; sede leais na medida e no peso- jamais destinamos a ninguém carga maios á que pode suportar. Quando sentenciardes, sede justos, ainda que se trate de um parente carnal, e cumpri os vossos compromissos para com Deus. Eis aqui o que Ele vos prescreve, para que mediteis (Alcorão 6:151-152).

10. Não terás outros deuses diante de mim

Não terás outros deuses diante de mim

Não terás outros deuses diante de mim

Leia Também:

10 mais Extremas e Mortais Jornadas para Chegar à Escola

10 Alimentos que Podem Matá-lo

10 Incríveis Utilidades do Limão

Maiores Teorias da Conspiração

Histórias Horríveis de Canibalismo

A unicidade de Deus (Tawhid) é o mais fundamental de todos os ensinamentos islâmicos. O islamismo é conhecido por seu estrito monoteísmo, que não aceita nenhum outro ser divino além do único Deus todo poderoso, conhecido como Allah.

Não tomes, junto com Deus (ó humano) outra divindade, porque serás vituperado, aviltado (Alcorão 17:22).


9. Não farás para ti qualquer imagem de escultura

Não farás para ti qualquer imagem de escultura

Não farás para ti qualquer imagem de escultura

Era comum as pessoas criarem imagens de figuras de santos a fim de conseguir chegar mais “perto” de Deus ou para dirigir sua adoração. Tais imagens são condenadas no islã, e nas mesquitas é possível notar que não há estátuas ou imagens de qualquer tipo.


8. Não tomarás o nome do Senhor em vão

Não tomarás o nome do Senhor em vão

Não tomarás o nome do Senhor em vão

O Alcorão adverte:

Quando deparares com aqueles que difamam os Nossos versículos, aparta-te deles, até que mudem de conversa. Pode ocorrer que Satã te fizesse esquecer disso; porém, após a lembrança, não te sentes com os iníquos (Alcorão 6:68).


7. Lembre-se do dia de sábado, para o santificar

Lembre-se do dia de sábado, para o santificar

Lembre-se do dia de sábado, para o santificar

Este é um mandamento que o islã rejeita, pois implica em dizer que Deus ficou “cansado” após a criação e tomou um dia de descanso. Não há sábado no islã, embora o trabalho seja suspenso por parte da sexta-feira para as orações da congregação. No entanto, isso não é considerado um dia de descanso. O Alcorão diz:

Criamos os céus e a terra e, quanto existe entre ambos, em seis dias, e jamais sentimos fadiga alguma (Alcorão 50:38).


6. Honra a teu pai e a tua mãe

Honra a teu pai e a tua mãe

Honra a teu pai e a tua mãe

O decreto de teu Senhor é que não adoreis senão a Ele; que sejais indulgentes com vossos pais, mesmo que a velhice alcance um deles ou ambos, em vossa companhia; não os reproveis, nem os rejeiteis; outrossim, dirigi-lhes palavras honrosas.

E estende sobre eles a asa da humildade, e dize: Ó Senhor meu, tem misericórdia de ambos, como eles tiveram misericórdia de mim, criando-me desde pequenino!(Alcorão 17:23 -24).


5. Não matarás

Não matarás

Não matarás

A pena de morte é permitida no islã, através do sistema judicial por meio da lei e da justiça, como forma de punir o mais hediondo dos crimes contra a sociedade. Caso contrário, não é nosso direito tirar a vida de outro.


4. Não cometerás adultério

Não cometerás adultério

Não cometerás adultério

Na lei islâmica, o adultério se enquadra como “espalhar corrupção na terra”, pois ele rompe os laços do matrimônio e da família. O casamento é uma relação social e legal que não pode ser violada.


3. Não roubarás

Não roubarás

Não roubarás

É sabido que a interpretação rigorosa da lei islâmica exige que a mão de um ladrão deva ser amputada (Alcorão 5:38). Na realidade, a punição é deixada a critério de um juiz e raramente é realizada nos tempos modernos.


2. Não dirás falso testemunho

Não dirás falso testemunho

Não dirás falso testemunho

Fazer um falso juramento é mentira e calúnia, o que é proibido no islã.

E não disfarceis a verdade com a falsidade, nem a oculteis, sabendo-a (Alcorão 2:42).


1. Não cobiçarás a teu próximo

Não cobiçarás a teu próximo

Não cobiçarás a teu próximo

Deus é aquele que nos abençoa, e nós devemos sempre dar graças pelo que temos. É um pecado invejar a forma como os outros têm sido abençoados – seja riqueza, família, boa saúde, ou qualquer outra coisa. Devemos ser pacientes e reconhecer que tudo o que se tem, é graças a Allah.

Para que vos não desespereis, pelos (prazeres) que vos foram omitidos, nem nos exulteis por aquilo com que vos agraciou, porque Deus não aprecia arrogante e jactancioso algum (Alcorão 57:23).

E quanto a Moisés?

É importante salientar que os muçulmanos acreditam nas revelações dos profetas anteriores, incluindo Moisés. O Alcorão descreve a revelação de Moisés como uma lei divina que foi protegida, mas depois critica os adeptos do Livro por não respeitarem e seguirem a orientação que lhes foi enviada.

Nas tábuas prescrevemos-lhe toda a classe de exortação, e a elucidação de todas as coisas, (e lhe dissemos): Recebe-as com fervor e recomenda ao teu povo que observe o melhor delas. Logo, vos mostrarei a morada dos depravados (Alcorão 7:145).

* Deixo claro aqui que os princípios do islamismo são geridos pelos 5 pilares do islã (profissão islâmica de fé ou shahada, oração ritual ou salah, caridade compulsória ou zakat e jejum de ramadã ou saum). Mesmo assim as semelhanças são maiores dos que muitos imaginam, pois o que muda, muitas vezes, entre uma religião e outra é a forma de interpretar as escrituras.




17 comentários

Adicione o seu
  1. Ariel Souza

    Tudo mentira, esses mandamentos são cristãos. Kkkkk…
    Enganaram feio vocês!!! Dos mandamentos deles eu lembro de um, o décimo, que fala que Allah não ama quem não o adora! Pura furada!

  2. Marcelo Soares

    Show, espetacular! Tenho sentimentos… e eles me apontam que tudo que li e ouvi é verdadeiro, e concordo! Não tenho religião, mas sinto que Deus aos poucos está me mostrando o caminho, não sei se é essa! Quero encontrar o meu Criador! Mas falta muita compreensão ainda… que Deus me ajude! Eu só penso no meu Senhor, quero agradar somente o meu Senhor!

    • Mister R

      O Islã é fábrica de assassinos, a lei e o amor de Deus não estão neles porque matam pessoas inocentes. Se quiser saber sobre o verdadeiro Deus, vá até Jesus Cristo no evangelho de João.

  3. Xô religião

    Parece-me que esse mandamento “Não Matarás” não funciona muito bem, pois todos os que não seguem o islã são denominados cães infiéis e devem ser convertidos à força, e se não aceitarem tal conversão devem morrer por terem desonrado Allah. Claro que não estou generalizando, mas essa é a impressão que possuo de quem é fanático religioso, seja de qual religião for. O principal objetivo do islã hoje em dia é dominar o mundo, começando pela Europa que já está infestada de seguidores fanáticos que fazem atentados em qualquer lugar que seja, porém não isento de culpa os demais fanáticos de outras religiões, fanatismo deveria ser considerado doença mental para qualquer área (religião, futebol, política, etc…).

    • Rafael L

      Um ponto chave aqui: fanatismo. Realmente ele existe em praticamente todos os setores da nossa sociedade. Porém tive a impressão que você está apenas se baseando nas notícias atuais, onde só se fala sobre o Estado Islâmico. Este grupo nada tem haver com o islã, pelo menos é isso que dizem os mais respeitados líderes muçulmanos do mundo. Na verdade esse grupo mata até mesmo aqueles que seguem a religião, mas acreditam em uma vertente diferente, longe desse mundo de fantasia criado pelo EI.

      Se grupos como a Al-Qaeda divulgaram carta aberta repudiando as ações que o Estado Islâmico vem tomando, é sinal que realmente há algo muito ruim por trás de toda essa situação.

      Eu acredito que nessa questão há um fanatismo propositalmente planejado e uma visão religiosa meticulosamente distorcida, tudo para dar algum embasamento às absurdas e repugnantes ações tomadas por eles.

      Outro ponto é com relação a alguns conflitos na região. Muitos deles estão relacionados à insatisfação do povo com o governo, e não de cunho religioso.

      Grande abraço.

      • Xô religião

        Infelizmente não estou tomando somente os fatos atuais em consideração, observo que desde que foram expulsos da Península Ibérica os muçulmanos desejam se vingar dessa afronta ao Deus Allah, isso que está acontecendo hoje é reflexo dessa expulsão que ocorreu no século XV, na verdade esses fanáticos não sabem perder.

  4. Marco Roberto

    O conhecimento e a razão estão fazendo falta nas condições que conduzem os pensamentos do mundo atual. Um texto simples, porém refletivo que demonstra como as religiões Cristã e Muçulmana se parecem no sentido que seria o “Certo” para a Paz. Nós não podemos esquecer que em nome de Cristo milhões de pessoas foram assassinadas na época das Cruzadas (Idade Média). As pessoas não se dão conta do genocídio que houve neste período, talvez por não existir televisão ou internet. É fácil ter opinião com as opiniões dos outros. Mas a capacidade de pensar por si próprio, valendo de sua capacidade racional e reflexiva sobre certos assuntos, está sendo um ato extinto na espécie humana atualmente. É fácil ter opinião com as opiniões dos outros.

  5. Tiko Miko Billilau

    Depois do 11 de Setembro, não existe essa conversa de que o islã é uma religião de paz. Ademais, quando se fala em adultério, se esquece de mencionar que um homem pode se casar com pelo menos 4 mulheres (e com crianças). Além disso, como dizer que hoje não se corta mais a mão de ladrões? E as execuções públicas no Irã e Arábia Saudita? Nunca vi tanta barbaridade cometida por uma maldita religião de deserto, proclamada por um “profeta” pedófilo.

    • Rafael L

      Para não me estender muito sobre o assunto, apenas uma observação, é preciso distinguir muito bem qual dessas situações acontecem por questões religiosas e quais são consequências das leis previstas nas constituições dos países. 11 de Setembro um ataque religioso? E mesmo que fosse, vamos condenar todos os muçulmanos do mundo por conta da atitude de alguns extremistas? Em todas as religiões existe extremismo, mas o pessoal parece não gostar muito de história, ou então prefere esquece-la.


Postar um novo comentário