Série TOP 10 #5 – As mais potentes bebidas nacionais

As mais potentes bebidas nacionais – Série TOP 10 #5

Nenhuma visita a um novo país seria completa sem experimentar a bebida nativa. Assim como acontece com os gostos culinários, onde cada país tem um principal e tradicional prato, o mesmo ocorre com as bebidas.

A maioria dos países tem como bebidas principais a cerveja e o vinho, mas abaixo segue uma lista de “venenos” exclusivos de determinadas regiões do mundo.

10. Mate argentino

Mate argentino

Embora não seja alcoólica, a bebida é bastante vibrante, conhecida como a “bebida da amizade” contém uma mistura de estimulantes, como a cafeína. É fabricado a partir da erva-mate, erva que é encontrada na Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil.

9. Guinness irlandesa

Guinness irlandesa

A Guinness é uma das bebidas nacionais mais famosas do mundo. Originada em Dublin, no século dezoito, hoje em dia está presente em qualquer bar temático britânico ou irlandês, independente da região do mundo que você esteja.

8. Cachaça brasileira

Cachaça brasileira

Esta bebida meio açucarada é o principal componente do coquetel popular, Caipirinha, quando misturado com limão e açúcar, ou Bombeirinho, quando misturada com xarope de groselha. O licor em si é destilado a partir da cana fermentada, e tem uma percentagem de até 48% de álcool. Em algumas regiões, também é conhecido como “aguardente” ou “pinga”.

7. Pisco sul-americano

Pisco sul-americano

Pisco é também um popular drink da América do Sul, principalmente do Peru e Chile, destilado de uvas, é mais potente que o vinho comum. Foi inventada no século dezesseis por colonos espanhóis, que estavam tentando fazer um tipo de Brandy. O que eles realmente conseguiram produzir foi este licor azedo, que agora está disponível em mais de oitenta marcas diferentes.

6. Vodca russa

Vodca russa

Cada bar do mundo hoje em dia serve vodca, mas nenhum tão potente como autêntico servido em Moscou. O que torna esta bebida tão ruim é simples, a vodca é basicamente água misturada com etanol – o que explica a cegueira ou até mesmo a morte, resultados do consumo excessivo de marcas falsificadas e malfeitas existentes no mercado negro. No entanto, esta bebida é tão popular nesse país de frio constante, que desde 1911 ela é responsável por consumir, na etapa de produção, 89% de todo o álcool feito na Rússia.

5. Ouzo grego

Ouzo grego

Na primeira cheirada, esta bebida parece ter o aroma doce e agradável do anis – mas as semelhanças terminam por aqui. Após o primeiro gole, o sabor bate em você como um prato de porcelana na cabeça, o que torna ainda mais difícil de entender por que os gregos misturam água para prolongar a vida útil dela. Diferentes variações regionais desta bebida podem ser encontradas na França, onde eles chamam de “Pastis”, “Mastika”, como é conhecido na Europa Oriental, ou “Sambuca”, que é encontrada na Itália.

4. Tequila mexicana

Tequila mexicana

A tequila é feita a partir de um cacto – o agave, que cresce melhor em solo vulcânico. É a bebida preferida dos estudantes, principalmente pela potência e efeito rápido. Muitos mexicanos consomem a tequila regularmente e em estado puro, enquanto os ocidentais tomam com limão e sal, e os europeus bebem a versão “ouro” com laranja e canela.

3. Saquê japonês

Saquê japonês

O saquê, como muitos outros produtos consumidos no Japão, é feito de arroz. Sua produção se origina no ano 712, e hoje serve para marcar diversas ocasiões, desde reuniões empresariais, cerimônias tradicionais ou festas noturnas. O sabor do saquê é doce, como o vinho, mas os consumidores mais hardcore preferem as versões mais amargas, que podem chegar a 20% na graduação alcoólica.

2. Rakia búlgara

Rakia búlgaro

A Bulgária foi um dos países mais atingidos pela crise de crédito. Após as duas guerras mundiais, em seguida, o comunismo, e então uma enorme crise econômica, a melhor coisa a fazer era produzir álcool caseiro – tanto por razões financeiras quanto práticas – foi a assim que a Rakia nasceu. A Rakia pode ser feita de qualquer coisa: uvas, ameixas, peras ou cerejas, basicamente o que restar da colheita de frutas de verão. Os nativos chamam de aguardente ou conhaque. A quantidade de álcool puro misturado na bebida pode chegar a 50%.

1. Absinto tcheco

Absinto tcheco

Este poderoso “veneno”, famoso por induzir Vincent Van Gogh a cortar sua orelha e Oscar Wilde a ter alucinações extremas, foi banido em 1800, devido ao aumento dos crimes violentos e doenças mentais. O que se encontra hoje em dia são revivals, versões menos potentes que estão sendo vendidos, ao invés do original, com uma graduação alcoólica de 75%. O absinto, ou “A Fada Verde”, é feito das flores e folhas da planta Artemísia e tradicionalmente, é derramado sobre um cubo de açúcar para liberar seus sabores inebriantes.

This list provided by TopTenz.net

Adaptação / Tradução autorizada por TopTenz.net




Não há comentários

Adicione o seu