5 Argumentos a Favor e Contra a Existência de Deus

5 Argumentos a Favor e Contra a Existência de Deus

Apresentamos aqui cinco argumentos a favor da existência de Deus, e os argumentos contrários a isso. Sinta-se livre para comentar sobre a veracidade (ou deixe a sua própria opinião sobre o assunto) de cada ponto abordado, mas lembre-se de manter a calma e argumentar razoavelmente. Afinal de contas, é a nossa capacidade de ser razoáveis (racionalidade) que nos difere dos outros animais!

✎ Nota: Todos estes pontos abordados estão de acordo com o Deus judaico-cristão.

5. Argumento ontológico

Argumento ontológico

Argumento ontológico

Primeiro formulado por Santo Anselmo, arcebispo de Canterbury, em seguida, retomado por Alvin Plantinga. “Deus existe, desde que seja logicamente possível para ele existir”.

Leia Também:

☞ Métodos de Sacrifício Humano

☞ Os Seres Humanos mais Perversos

☞ Histórias Horríveis de Canibalismo

☞ Top 5 Piores Prisões do Mundo

☞ Melhores Fotografias de Fantasmas

Este argumento é muito descarado na sua simplicidade, o que requer não só uma crença em Deus, mas a crença na necessidade de Deus. Se você acredita que ele é necessário, então você deve acreditar que ele existe.

Argumento contrário:

A crítica normalmente lida com o argumento ontológico de cometer uma “falácia afirmação vazia”, o que significa que ele afirma qualidades inerentes apenas a uma declaração não comprovada, sem qualquer suporte a essas qualidades. Ele também é criticado como um argumento circular, girando de uma premissa a uma conclusão que se baseia na premissa, que se baseia na conclusão.


4. Argumento moral

Argumento moral

Argumento moral

Este argumento é muito antigo, e afirma que Deus deve existir pelo seguinte motivo:

1. O aspecto da moralidade é observado.
2. A crença em Deus é a melhor explicação para essa moralidade do que qualquer alternativa.
3. A crença em Deus é, portanto, preferível à descrença em Deus.

Argumento contrário:

Este argumento é tecnicamente válido, desde que os três elementos sejam aceitos, mas a maioria dos críticos se recusa a aceitar o primeiro. A moralidade – argumentam eles – não é universal. Assassinatos pareciam algo normal para os soldados da Primeira Cruzada, que massacraram cada homem, mulher e criança na cidade de Jerusalém, em 1099. Thomas Hobbes argumenta que a moralidade baseia-se na sociedade em torno dela e, portanto, não é objetivo.


3. Argumento de grau

Argumento de grau

Argumento de grau

Esse argumento é uma das “Cinco Provas de Deus” de São Tomás de Aquino, e ainda provoca debate. Aqui está a declaração de Aquino, traduzida do latim (não perfeitamente):

A quarta prova origina-se dos graus descobertos nas coisas. Pois é descoberto maior ou menor grau de bondade, de verdade, nobreza e outras coisas. Mas ‘mais’ ou ‘menos’ são termos falados sobre várias coisas que vão se aproximando de diversas maneiras a algo que é o ‘maior’, assim como no caso do ‘mais quente’ se aproxima do que seria o ‘maior calor’. Existe, portanto, algo ‘mais verdadeiro’, ‘melhor’ e ‘mais nobre’, que, em consequência, é o ‘maior ser’. As coisas que são as maiores verdades são os maiores seres, como se afirma na metafísica. Além disso, o que é o maior e o melhor são de outro modo, a causa de todas as coisas pertencentes a ele; assim o fogo, que é o maior calor, é a causa de todo o calor, como é dito no mesmo livro (cf. Platão e Aristóteles). Portanto, existe algo que é a causa da existência de todas as coisas, e da maior bondade e de toda a perfeição. Chamamos isso de ‘Deus’.

Argumento contrário:

A crítica mais prevalente desse argumento considera que não temos de acreditar em um objeto de um maior grau, a fim de acreditar em um objeto de um menor grau. Richard Dawkins, um famoso ateu, argumenta que só porque nos deparamos com um objeto com mau cheiro, não precisamos acreditar em algo que é a coisa mais malcheirosa do mundo.


2. Argumento da razão

Argumento da razão

Argumento da razão

O escritor C. S. Lewis surgiu com esse argumento. Ele afirma que Deus deve existir, por que:

Supondo que não há nenhuma inteligência por trás do universo, nenhuma mente criativa. Nesse caso, ninguém concebeu meu cérebro para o propósito de pensar. Trata-se apenas de um acaso, que os átomos no interior do meu crânio, por razões físicas ou químicas, se organizaram de certa maneira que me dá, como subproduto, a sensação que eu chamo de pensamento. Mas, em caso afirmativo, como posso confiar em meu próprio pensamento, que ele é verdadeiro? É como virar uma jarra de leite na esperança de que a maneira como o leite espirra resulte em um mapa de Londres. Mas se eu não posso confiar em meu próprio pensamento, é claro que eu não posso confiar nos argumentos que levam ao Ateísmo e, portanto, não tenho razão para ser ateu, ou qualquer outra coisa. Se eu não acreditar em Deus, eu não posso acreditar no pensamento e não posso usá-lo para não acreditar em Deus.

Argumento contrário:

Essa ideia soa poderosa, e o julgamento final sobre ela ainda está em debate. Mas o seu principal ponto fraco é que, no sentido mais estrito, não é uma prova da existência de Deus, porque requer a suposição de que a mente humana pode avaliar a veracidade ou falsidade de uma afirmação, e exige que a mente humana possa ser convencida pela argumentação.

Mas, para rejeitar a hipótese de que a mente humana pode avaliar a veracidade ou falsidade de uma afirmação, uma mente humana tem de assumir que esta afirmação é verdadeira ou falsa, logo prova que a mente humana pode avaliar a veracidade ou falsidade de uma alegação.

Mas nada disso tem a ver com a existência de Deus. Assim, o argumento é mais tratado como uma refutação do materialismo naturalista. No entanto, dado que a maioria dos ateus usa o materialismo naturalista como a fundação de ateísmo, é um argumento muito viável.


1. Argumento cosmológico

Argumento cosmológico

Argumento cosmológico

A prova mais famosa de Deus de Tomás de Aquino é essa, e você provavelmente já ouviu falar dela de alguma forma. Esse argumento surgiu antes de Aquino, pelo menos tão cedo quanto Platão e Aristóteles, e em termos básicos, diz:

1. Todo ser finito e contingente tem uma causa.
2. Nada finito e contingente pode ser causa de si mesmo.
3. Uma cadeia causal não pode ser de comprimento infinito.
4. Portanto, uma Primeira Causa (ou algo que não é um efeito) deve existir.

Isto é especialmente impressionante na medida em que foi teorizado pelos gregos, numa altura em que o universo não era conhecido por ter tido uma origem, que hoje chamamos de “Big Bang”. O argumento mudou para a seguinte forma:

1. Tudo que começa a existir tem uma causa.
2. O universo começou a existir.
3. Portanto, o universo teve uma causa.

Argumento contrário:

Sequencialmente falando, esses três pontos são verdades. Mas o segundo ponto requer que o universo tenha uma causa, e nem todos têm certeza disso. O “Big Bang” é a teoria mais predominante na astrofísica hoje, mas há controvérsias se o universo é infinito ou teve um começo.

Esse argumento também comete a falácia lógica chamada “regressão ao infinito”. Se o universo teve uma primeira causa, o que causou essa causa em primeiro lugar? A crítica afirma que é injusto defender a causa de todas as coisas, e, em seguida, defender a única exceção de uma “Primeira Causa”, que não têm uma causa.


» Gostou deste conteúdo? Então não se esqueça de ajudar a divulga-lo e compartilha-lo nas redes sociais – através dos botões abaixo – com seus amigos, conhecidos, familiares… Pois desta forma você estará nos incentivando a produzir e buscar cada vez mais conteúdos interessantes, e contribuindo para que outras pessoas conheçam o nosso trabalho.

Este botão ❤ (coração) serve para ajudar a ranquear os posts – dentro do próprio site. Ao clicar sobre ele você ajudará a indicar para os futuros leitores e visitantes quais conteúdos são mais interessantes.

✎ Não esqueça também de deixar um comentário sobre o post, seja ele uma crítica, sugestão ou elogio. Consideramos a opinião do leitor extremamente importante, por isso levamos em consideração todo e qualquer comentário feito sobre o conteúdo.




1 comentário

Adicione o seu
  1. Vincent da Silva

    Eu sempre acreditei na dúvida. Sou agnóstico e acho que existe muitas possibilidades, não há como ter certeza do ponto de vista científico. Acho que por mais que existam argumentos contra e a favor da existência de algum Deus, não há certeza.


Postar um novo comentário