SOPA – Capcom confirma seu apoio

SOPA – Capcom confirma seu apoio

[social_share/]

SOPA – Capcom confirma seu apoio

A Capcom USA confirmou com ao site Digital Trends que apoia a controversa Lei para combater a pirataria online (SOPA). Nintendo, Sony, EA, e outros membros da Entertainment Software Association (ESA), até agora, permaneceram em silêncio sobre o assunto.

A Capcom USA apoia a controversa Lei chamada “Stop Online Piracy Act”, mais conhecida como SOPA, informação confirmada pela Digital Trends.

A verificação segue uma onda de confusão em torno do apoio de outros desenvolvedores de jogos importantes ao projeto de lei, incluindo Nintendo, Sony Computer Entertainment America, Online Sony Entertainment e a Electronic Arts.

Capcom, Nintendo, Sony, EA e 29 fabricantes de outros jogos são membros da Entertainment Software Association (ESA), um grupo de defesa com sede em Washington que trabalha defendendo o interesse de seus membros junto ao congresso americano.

Em uma troca de e-mail com a Digital Trends, um porta-voz da Capcom disse apenas que, “A ESA representa-nos sobre estas questões.”

Erro na divulgação de informações

Na semana passada, erroneamente o site Business Insider informou que Nintendo, Sony e EA discretamente cancelaram seu apoio a SOPA – uma informação que o Digital Trends, e centenas de outros repassaram. O relatório da BI foi baseado no fato de que seus nomes não aparecem em uma versão atualizada da lista oficial do Comitê Judiciário de apoiantes. O problema é que nunca os seus nomes apareceram na lista – apenas a ESA fez – tornando impossível sua remoção.

Nem Nintendo, Sony, nem a EA responderam ao nosso pedido para comentar o assunto, e parece improvável que eles irão responder. Estamos atualmente no processo de contato com outros membros da ESA.

SOPA, que visa bloquear o acesso a “sites perigosos estrangeiros” que ilegalmente distribuem material com direitos autorais, tem forte apoio de “pesos pesados” da indústria de entretenimento, incluindo o Motion Picture Association of America, grandes estúdios de Hollywood e os sindicatos, e uma grande variedade de gravadoras.

Gigantes da televisão, como a Comcast / NBC Universal, ABC e ESPN, também apoiam o projeto de lei, assim como a Câmara de Comércio dos EUA, a indústria farmacêutica, editoras como HarperCollins, Visa, MasterCard, e outras grandes organizações que estão a favor do projeto e da aplicação da lei.

Duelo de Titãs

Do lado anti-SOPA, estão os titãs da internet, incluindo Google, Facebook, eBay, AOL, Yahoo, Twitter, Tumblr, PayPal e Wikipedia, bem como inúmeros sites, blogueiros, empresários, capitalistas de risco, educadores, especialistas em direito constitucional, grupos de direitos civis, o conselho editorial do The New York Times, Los Angeles Times, e The Orange County Register. No total, 855 organizações e indivíduos aparecem na lista abrangente de opositores SOPA.

Graças a uma campanha de boicote online que começou na rede Reddit.com, ativistas anti-SOPA pressionaram a GoDaddy (empresa de registro de domínios) a sair publicamente contra o projeto de lei, que a empresa ajudou a redigir, e da qual foi explicitamente isento.

Apesar de recuar seu apoio à SOPA, muitos ainda vêem o fato da GoDaddy ter expressado sua posição contrária como puramente um golpe de relações públicas e não uma representação de suas verdadeiras intenções.

Embora poucos discordem que leis de proteção mais robustas sobre direitos autorais são necessários, os oponentes da SOPA alertam que o projeto de lei amplamente formulado conduziria uma censura on-line sem precedentes.

Se aprovada, daria poder aos detentores dos direitos autorais e ao governo dos EUA para forçar provedores de Internet a bloquearem o acesso ao nome de domínio de qualquer site que facilita a distribuição de conteúdo pirata ou falsificado ou mercadorias.

Motores de busca como Google e Bing poderiam ser forçados a remover os sites de seu índice. E os anunciantes online e serviços de pagamento, como PayPal, seriam obrigados a cortar relações comerciais com os sites acusados.

A capacidade dos detentores de direitos autorais para alvejar qualquer site com sede nos EUA que eles acreditam que não é adequado por facilitar o acesso ao agressor (sites maliciosos estrangeiro) criará um ambiente de risco para as empresas online, assim, sufocando a inovação online.

O Republicano Lamar Smith (R-TX), autor principal da SOPA, assegura que não há qualquer razão para as empresas americanas cumpridoras da lei se preocuparem caso o projeto de lei vire realidade.

Além dos direitos e da sociedade civil ligados às empresas, 83 técnicos especialistas, muitos dos quais ajudaram a construir a arquitetura da Internet, insistem que ao bloquear os nomes de domínio da forma que a SOPA propõe, fará com que toda a infra-estrutura internet fique em risco , tornando toda a web menos estável e mais vulnerável a ciberataques. Esses especialistas também dizem que a SOPA não vai atingir seu objetivo de parar a pirataria on-line destes sites, que ainda estarão acessíveis através de seus endereços IP.

A SOPA permanece no limbo enquanto o congresso está em recesso de férias. A House Judiciary retomará a marcação da audiência em algum momento depois que a câmara se reunir em 17 de janeiro.

[social_share/]




Não há comentários

Adicione o seu